sábado, 18 de abril de 2009

Presságio e Einstein

No post de hoje vou falar de dois temas distintos: um filme e um livro.


O primeiro deles é o filme Presságio, dirigido por Alex Proyas (Cidade das Sombras e Eu, Robô) e estrelado por Nicolas Cage (Adaptação, Motoqueiro Fantasma, ...). Não há como falar muito do filme sem fazer spoilers, por isso meu comentário poderá parecer vago pra quem não assistiu, mas não revelarei nada.
O filme tem início em 1959, na inauguração de uma escola em Massachussetts. A escola faz um concurso entre os alunos em busca da idéia mais original para marcar a inauguração. Uma garotinha estranha e calada chamada Lucinda sugere a criação de uma cápsula do tempo. Para quem não sabe, dá-se esse nome a uma espécie de caixa onde colocamos itens da época e escondemos, de forma que em um futuro distante a caixa seja aberta e esses itens lembrem a época em que foi escondida.
Então a escola decide que cada aluno deve fazer um desenho de como acha que será o mundo em 50 anos. Esses desenhos seriam colocados na cápsula, que seria enterrada no jardim da escola e aberta em 50 anos. A estranha Lucinda escreve compulsivamente uma série aparentemente ilógica de números, para estranhamento de sua professora.
Em 2009, o filho do personagem de Nicolas Cage estuda na escola e, na cerimônia dos 50 anos, recebe o "desenho" feito por Lucinda. Nicolas Cage descobre por acaso que esses números contém (de uma forma que não vou revelar) previsões de grandes catástrofes mundiais. E as três últimas ainda não aconteceram. Quando tem a prova da primeira delas, o personagem se torna obcecado por tentar evitar as demais.
Visualmente a direção de Proyas é inspirada. A cena da primeira catástrofe, que não vou detalhar, impressiona pelo seu realismo. Me senti assistindo a uma matéria jornalística. Fiquei estarrecido pelo impacto da cena, que já faz valer o filme. Além disso, a direção se esforça para criar um clima de tensão constante, que me deixou apreensivo até o aparecimento dos créditos finais.
O segundo motivo para apreciar Presságio é a verdade por trás dos acontecimentos. Quando finalmente tudo se esclarece, o filme mudou de aspecto. Tornou-se brilhante ao propor algo que já foi discutido e sugerido por estudiosos do assunto (do qual não posso dar detalhes sem spoilers). Aliás, tenho inclusive um tio que sugeriu que algo exatamente igual aconteceria.
5 estrelas em 5


O segundo assunto do post é o livro Einstein: Os 100 Anos da Teoria da Relatividade, que terminei de ler essa semana. Trata-se de uma biografia do célebre físico, permeada por explicações científicas da evolução das teorias físicas. O livro é bem escrito, sendo acompanhado por artigos de famosos, desde Arthur C. Clarke (escritor de ficção científica mais conhecido por 2001: Uma Odisséia no Espaço) a Stephen Hawking (talvez o cientista mais famoso do nosso tempo).
Einstein foi, no mínimo, uma pessoa singular. Sem se deixar levar por estudos que pareciam completamente sólidos, Albert gostava de refletir sobre as verdades. Mas não se escusava de usar a Matemática para provar muitas de suas idéias. Em 1905, quando era um completo desconhecido, publicou 5 artigos: o menos influente deles serviu para que obtivesse um doutorado. Os mais influentes criaram a Teoria da Relatividade, a dualidade onda/partícula da luz, a famosa equação E=mc² (relação entre massa e energia) e o quanta, que originou a Física Quântica como a conhecemos (ou achamos que conhecemos). Inicialmente taxadas como absurdas, todas essas idéias foram aos poucos sendo comprovadas, se não totalmente ao menos parcialmente.
E Albert Einstein tornou-se uma celebridade. Não no mundo da Ciência, mas entre os cidadãos comuns. Por não ter medo de defender aquilo que acreditava, por jamais ter se deixado corromper por dinheiro ou fama, por ser simplesmente alguém que se questionava acerca das verdades. Eu o encaixo mais como um Filósofo que como um Cientista. Era um pensador, e visava a paz tanto quanto Gandhi.
Mas é importante ressaltar que ele não era santo. Seus relacionamentos pessoais foram todos sofridos porque ele não parecia ser capaz de amar indivíduos isolados, apenas a Humanidade como um todo. Foi casado duas vezes, teve inúmeras amantes, teve um péssimo relacionamento com seus filhos, etc. De qualquer forma, isso apenas demonstra que somos todos humanos, e, portanto, falhos.
Einstein foi um gênio, um dos maiores de todos. Um espécime raro, daqueles que batalham pelo progresso, mas se preocupando com os inocentes.

8 comentários:

alex marques disse...

Graaaande Elvis, a paz esteja contigo!

Estranhei o filme.. normalmente não o vejo interessado por este gênero(estou enganado?), me parece muito interessante, estarei aguardando aparecer por auqi.. ou se encontrar algum lugar pra baixar...

Cara Einstein realmente é um gênio, o cara modificou toda a direção da física e certamente terá influência por várias gerações!

Agora como vocÊ falou, antes de mais nada o cara é humano com suas limitações e dificuldades, porém nada que tire o brilho do seu trabalho. Muito interessante!!

Elvis "Wolvie" disse...

Opa, Alex! =D

Se eu gosto de filmes desse gênero? Mas que gênero você está falando? Se for suspense, depende. Não sou realmente apreciador do gênero em geral, mas assisto filmes de todos os gêneros quando acho que podem ser bons. E há mais em Presságio do que um mero suspense. Tipo, o próprio Nicolas Cage fez O Vidente há pouco tempo, e o tema é similar. Contudo, todas as descrições e críticas que li sobre este Presságio geraram um interesse que foi correspondido. É verdade, não aprecio exatamente a atmosfera de tensão. Se for um filme bem-feito, não me importo de passar por ela. Mas na maioria dos casos... É diferente de um romance como Noites de Tormenta. Eu não achava que seria tão bom, mas um romance é sempre um romance e quis ver ainda assim. =P

Bom, me enrolei mais ainda, hahahaha. Não me importo tanto com Suspense, agora Terror... aí sim é bem difícil eu ver algum. =P

alex marques disse...

Quer dizer que massacre da serra elétrica nem pensar!!! hauhauahuhuahuhauha

alex marques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Elvis "Wolvie" disse...

Não mesmo. =PPP
Nem o novo Sexta-Feira 13, nem esses filmes de zumbis.
Ok, eu fui ver Planeta Terror no cinema. Mas mais porque era do Rodriguez e propositadamente trash. =P
Pra você ter idéia, nem esses filmes de terror oriental eu vejo. Não vi sequer O Chamado, nem japonês nem americano. =P

alex marques disse...

Exterminio do "Boyle" ´emuito bom! e melhor ainda é madrugada dos mortos!!! he he he .. meu filme de "Zumbi" preferido!

Spring.Rain disse...

Eu já não gostava de Nicolas Cage e, depois de ver Perigo em Bangkok eu havia decidido que não veria mais filmes com ele.
Porém, confesso que fiquei com vontade de ver Presságio depois do seu post.

Engraçado você falar de Einstein. Recentemente, abri meu "O Universo Numa Casca de Noz" e reli o capítulo que fala sobre ele.

Beijo!

Elvis "Wolvie" disse...

Cage tem mesmo uma grande tendência ao exagero, e muitas vezes faz feio nos filmes. Contudo, ele acerta de vez em quando, e só em ter sido o protagonista de Adaptação (roteiro do brilhante Charlie Kaufman), já foi o suficiente para que eu ainda veja filmes com ele, hehehehe.