quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Setembro na Cultura Pop

O Na Toca do Lobo deixou de existir, mas eu não deixei de ler/assistir às minhas coisinhas. Não terei tempo de escrever longos reviews, como vinha fazendo, mas não custa citar umas coisas, não é? =D


Literatura

1) Crônicas de um Samurai na Era Meiji Vols. I e II, de Nobuhiro Watsuki e Kaoru Shizuka: algumas aventuras de Kenshin Himura (o Samurai X do desenho que passou na Globo há vários anos, e cujo mangá foi lançado no Brasil pela JBC) escritas em prosa. Divertido, ótimos personagens e curiosidades sobre o Japão feudal.
3 estrelas em 5 para ambos

2) O Castelo Animado, da Diana Wynne Jones: obra inglesa que inspirou Hayao Miyazaki, o grande diretor do Estúdio Ghibli, a realizar a animação homônima. O filme é o meu predileto do estúdio, e o livro consegue ser ainda melhor. Mais rico de detalhes, com algumas mudanças sutis e outras radicais com relação à versão cinematográfica, o livro é delicioso e suas páginas voaram pelas minhas mãos. O estilo de Jones não é o ápice da Literatura pós-contemporânea, mas ela é hábil para contar histórias e desenvolver os personagens.
5 estrelas em 5

3) O Castelo no Ar, da Diana Wynne Jones: ambientado no mesmo universo concebido para O Castelo Animado, e com algumas sutis fusões com a obra anterior, conta uma história que poderia ter saído dAs Mil e Uma Noites, com direito a tapetes voadores, gênios em lâmpada, e filhas de sultões em perigo. A narrativa é tão promissora quanto a do seu predecessor, embora o estilo da história seja bem distinto, apesar de não fugir do gênero aventuresco.
5 estrelas em 5



Cinema e Vídeo

1) Up: mais uma obra-prima da Pixar. História excelente e comovente, personagens edificantes, técnica impecável. Pude conferir em 3D e o uso do recurso é tão natural que esquecemos os óculos e logo nos acostumamos à experiência, como se sempre tivéssemos assistido filmes dessa maneira. As cores e a trilha sonora são destaques, juntamente com a belíssima, tocante e inesquecível cena inicial, que narra a história do protagonista, uma das melhores sequências da história do estúdio, líder mundial em qualidade de animação 3D (falo de qualidade cinematográfica, não apenas visual) e atrás apenas do Ghibli quando comparado com estúdios 2D.
5 estrelas em 5

2) Geração X: documentário que narra a história dos X-Men nos quadrinhos, de sua origem conturbada nas mãos de Stan Lee e Jack Kirby, até a ascensão com Chris Claremont. Conta com muitas entrevistas, incluindo o fenomenal John Cassaday, que fala sobre seu trabalho na revista Astonishing X-Men. A condução do filme é irregular, mas para quem gosta dos personagens ou quer conhecer um pouco mais sobre eles, vale a pena.
3 estrelas em 5

3) Uma Prova de Amor: Abigail Breslin é decididamente uma das mais promissoras estrelas-mirim de todos os tempos. O mais importante: ela não é apenas uma garotinha que sabe chorar ou que tem uma cara triste, como tantos. Não, sua atuação é sutil e seus personagens são compostos de maneira extremamente realista. Aqui ela é uma garota que nasceu de proveta, com os genes ideais para salvar a vida de sua irmã mais velha, que foi diagnosticada ainda muito criança com um tipo raro e praticamente incurável de leucemia. Contudo, quando sua adolescência chega, a personagem decide que quer optar por doar ou não seus órgãos e sua medula para a irmã. Contando com uma ótima atuação do cada vez melhor Alec Baldwyn como um advogado, desempenhos bons de Cameron Diaz e Jason Patric como os pais dos garotos e de Evan Ellingson como o irmão mais velho, o elenco fecha incrivelmente com Sofia Vassilieva interpretando a leucêmica Kate. É uma obra excelente e profundamente tocante. Me fez chorar durante boa parte da projeção e saí da sala emocionalmente desgastado. Recomendo!
5 estrelas em 5

4) Tudo Acontece em Elizabethown: Cameron Crowe é meu ídolo por ter feito Quase Famosos, um de meus filmes prediletos. Assim, desde o lançamento que desejo assistir a seu novo trabalho, mas só agora tive a oportunidade. A história fica muito aquém do longa de 2000, mas o estilo de Crowe está lá: músicas gostosas na trilha sonora, sequências que se assemelham a clipes musicais, cenas envolventes e personagens curiosos. Orlando Bloom, ator limitado, não desaponta. E Kirsten Dunst compõe uma personagem doce e divertida. O diretor e escritor tem idéias que valem conferir, como uma longa conversa mantida pelos personagens via celular (sabendo que o discador estava em deslocamento, imagino que tenha sido um recorde de ligação mais cara da história =P), que termina de maneira mágica. É impressionante como uma simples conversa pode gerar tanta identificação. Mas a trama não se desenrola tão satisfatoriamente, perdendo muito tempo em Elizabethown e desperdiçando o que poderia ter sido um excelente road movie.
4 estrelas em 5

5) Jovens, Loucos e Rebeldes: um dos primeiros trabalhos de Richard Linklater, filme sobre a juventude do final dos anos 70. Sexo, drogas, rock & roll e diálogos divertidos conduzem essa trama descompromissada. Divertido. O ator Adam Goldberg está ótimo.
4 estrelas em 5



TV

1) Primeira temporada de Fringe: mais uma excelente série que começo a acompanhar. Fringe Science (algo como Ciência de Borda) é tudo aquilo que não queremos acreditar, mas que pode existir no fundo, como teleporte, telepatia, telecinese, pirocinese, criogenia, etc. A agente do FBI Olivia Dunham é designada para conduzir investigações nessa área, contando com a colaboração do dr. Walter Bishop (um John Noble espetacular, comprovando que tem talento para interpretar loucos - ele era o Regente de Gondor e pai de Boromir em O Senhor dos Anéis), o maior especialista da área, mas que foi diagnosticado como louco e está há 17 anos em um hospital psiquiátrico, e de seu filho Peter Bishop (interpretado por Joshua Jackson - estou completamente chocado com a ótima performance do ator, que conseguiu fugir do estigma de ator de filmes de terror teen que lhe perseguiu após seu trabalho como o ótimo Pacey, de Dawson's Creek). A série é ótima, apesar de ter capítulos mornos.
4 estrelas em 5

2) Fringe 2.01: início de temporada simplesmente espetacular. Um dos melhores, ever! Elevou o patamar da série.
5 estrelas em 5

3) Fringe 2.02: bom episódio, mas muito inferior ao anterior, a trama estancou mais uma vez.
3 estrelas em 5

4) True Blood 2.12: final de temporada à altura. MaryAnn teve seu fim, Sookie e Bill caminham para um novo status e um cliffhanger ainda melhor que o da temporada anterior nos põe de castigo até Junho.
5 estrelas em 5

5) Gossip Girl 3.01: estava com saudades de Blair. Temporada de início morno, Serena cada vez mais sem-graça, Blair e Chuck precisando de algo para animar seu núcleo.
3 estrelas em 5

6) Gossip Girl 3.02: outro episódio mediano, apesar do bom retorno de Georgina, de sua disputa com Blair e do cliffhanger curioso do final.
3 estrelas em 5

7) Gossip Girl 3.03: finalmente a temporada embalou! Ótimo desenrolar da trama entre Blair e Chuck, e entre Georgina e Dan. Nate também está interessante e Vanessa razoavelmente. Mas cadê Eric e Jenny? Viraram coadjuvantes de vez? E, por deuses, queremos o retorno de Lily! O que houve com a atriz? =(
4 estrelas em 5

8) Heroes 4.01 e 4.02: mais um episódio (duplo!) de Heroes, que, suspeito, não passará dessa temporada. Somos apresentados a um circo que consegue despertar algum interesse e curiosidade. A trama Nathan/Sylar ainda vai dar o que falar. Hiro muda seu presente visitando o passado, e Claire é descoberta por uma colega da faculdade.
3 estrelas em 5

9) Heroes 4.03: e não é que este episódio foi um pouco melhor? Menos disperso, apresentou um pouco mais dos personagens do circo e, principalmente, mostrou que Sylar é indubitavelmente o que a série tem de melhor. Eu sempre preferi outros personagens, mas não há como negar que ele é o mais complexo e bem desenvolvido. O jogo que ele fez com Matt Parkman foi realmente criativo.
4 estrelas em 5

10) The Big Bang Theory 3.01: divertido episódio, finalmente Penny e Leonard chegam a algum lugar em seu relacionamento. Sheldon é humilhado pelos resultados forjados por seus amigos no Ártico.
4 estrelas em 5

11) The Big Bang Theory 3.02: impagável a cena de Sheldon tentando descobrir o que fez de errado ao falar abertamente do relacionamento de Penny e Leonard. Todos estão ótimos no episódio, que me fez gargalhar em vários instantes. Mas a cena com o grilo não empolgou.
4 estrelas em 5

12) Dexter 4.01: Dexter Morgan, nosso serial killer favorito, está exausto por ter que conciliar seu trabalho, suas necessidades psicopatas e cuidar de seu recém-nascido rebento. Importante dizer que sua esposa anda jogando demais as coisas nas costas do perito em espalhamento de sangue.
4 estrelas em 5

13) Flash Forward 1.01: promissor início de temporada para a série que nos faz imaginar onde estaremos daqui a seis meses. Joseph Fiennes está bem na trama, que pode se tornar excelente ou afundar, depende de seus realizadores.
4 estrelas em 5

14) The Vampire Diaries: sorry, só consegui ver os dois primeiros episódios. Muitos falam mal de Crepúsculo. Bem, eu só vi o filme e simpatizei. Não gosteeeeei, mas é interessante ver mais uma história de amor humano-vampiro, e eu gosto da atriz Kristen Stewart desde seu desempenho em Na Natureza Selvagem. Mas este Vampire Diaries... personagens desinteressantes, trama rasa, todos com diários, vampiro ruim e vampiro bonzinho são irmãos... atores fracos. Argh, não deu.
1 estrela em 5



Quadrinhos

1) Wolverine 57: estréia de Old Man Logan, incrivelmente boa. Não esperava que fosse. O resto da revista é mediano, até mesmo X-Factor.
3 estrelas em 5

2) Nana 12: não há mais como Nana ficar ruim. Finalmente o mangá ultrapassa o anime e eu estou desesperado para ler mais. O melhor quadrinho publicado no Brasil atualmente!
5 estrelas em 5

3) Naruto 28: e não é que a parte Shinpuden começou bem? Gostei do desenrolar da história, de Gaara ser Kazekage e o melhor: finalmente Sakura se desenvolveu como personagem.
4 estrelas em 5

4) Hunter X Hunter 18: o arco de Greed Island parece próximo ao fim. Irá Gon descobrir mais sobre seu pai?
4 estrelas em 5

5) Full Moon O Sagashite 4: a revista consegue manter seu ritmo razoável e exageradamente dramático.
3 estrelas em 5

6) DNA² 2: cansei da série. Já. Trama boba, mulheres com pouca roupa, não vale minha análise.
2 estrelas em 5

7) Claymore 1: conceito razoavelmente interessante, visual original, possível bom futuro. Mas não resiste à comparação com Berserk.
3 estrelas em 5

8) Avante Vingadores 32: A Iniciativa nas mãos dos Skrulls, as muitas substituições do inseguro Hank Pym, e como se não bastasse ter Tony Stark, agora James Rhodes ganha sua série. É demais para mim.
2 estrelas em 5

9) Invasão Secreta Especial 3: história divertida entre os Jovens Vingadores e os Fugitivos, equipes excelentes e o melhor do universo teen da Marvel nos últimos anos. Já o duelo dos velhos e dos "novos" Novos Guerreiros decepciona.
2 estrelas em 5

10) Invasão Secreta 6: finalmente a história andou, e de maneira satisfatória. Agora vai rolar o grande quebra entre os heróis e os Skrull.
4 estrelas em 5

11) X-Men 93: eu não consigo tolerar o tratamento dado por Ciclope a Xavier. Se eu já não era grande admirador do primeiro Summers, agora desgosto dele cada vez mais, e culpa é de Emma Frost (ou melhor, de Grant Morrison). Mas a história de Brubaker e Fraction é... excelente! Já é o melhor título dos X-Men, com a arte privilegiada de Greg Land. Veremos agora um quebra entre Emma e Madelyne? =O Já os Jovens X-Men nem merecem comentários e fazem a nota da revista despencar.
3 estrelas em 5

12) Universo Marvel 51: A Morte da Mulher Invisível conclui previsivelmente, Hércules parece em uma história filler com Cho na ilha das Amazonas, Motoqueiro Fantasma é patético, e Thunderbolts prepara o terreno para a ascensão de Osborn, com a icônica imagem do personagem sentado na frente da estátua de Lincoln.
3 estrelas em 5

13) X-Men Extra 93: Cable tem sua história mais fraca até agora, voltada para Scott Summers e sua chatice (é, vou pegar no pé dele agora! =P). Excalibur continua triste e X-Force poderia ter concluído melhor seu primeiro arco. Os X-Men de Ellis dão uma folga, aparecendo em uma mini-história que tapa as páginas restantes, já que Cable ocupou mais do que o normal.
2 estrelas em 5




É isso. Mês que vem tem mais! =P

4 comentários:

alex marques disse...

Hum "A toca" ainda vive.. de outra maneira mas vive!!!

Dos filmes que citou só vi "Tudo Acontece em Elizabethown", não me empolguei muito com o longa quando vi.. é meio lento, as coisas demorarm um pouco a acontecer...

Já os seriados os destaques vão para dexter e The Big Bang.. mantem a ótima quelidade como sempre, fiqeui um pouco decepcionado com a nova temporada de Gosip Girl e outro destaque para o ótimo inicio de Californication! Aguardando a ultima temporada de LOST!!! Aí que ansiedade!!

Nos quadrinhos, como minha assinatura acabou voltei a ler scans.. j´ali tanta coisa que fica dificil lembrar... Essa é a desvantagem de se ler scans, porém a vantagem é que dá pra acompanhar bem mais coisas!!!
Poi s´eisso aí! Fica com Deus e até mais!!!

Kahr disse...

Eu queria ler Mil e uma noites, mas a versão da ediouro que eu queria está esgotada <- não que eu tenha $ pra comprá-la agora either -> por outro lado tem na BCE. Qual anota que você deu pra Castelo no ar? Eu prefiro meu Jinx, ele é mais misterioro e menos safado :P.

Elvis "Wolvie" disse...

É mesmo, esqueci da nota de Castelo no Ar! Dou 5 estrelas também, embora Castelo Animado seja melhor! =D

Kenia Chan disse...

Outro apaixonado pelo japão!