sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Dublagem

Sabe-se que o Brasil é um país completamente rendido aos estrangeirismos, nos neologismos do nosso idioma, em nossas atitudes, nosso modelo político, etc. Tudo nós copiamos, sobretudo dos americanos. Essa posição difere da maior parte dos países europeus, que nutrem verdadeira aversão pelos idiomas e culturas alheias, e valorizam a sua em demasia. Isso se reflete na cultura cinematográfica dos países: enquanto no Brasil há forte oposição a assistir filmes em idioma distinto do original, na Europa grande parte das produções é dublada na língua local.


Há alguns anos, e sobretudo em 2009, percebi uma maior presença dos filmes dublados nas salas brasileiras. Essa iniciativa faz parte de um conjunto grande de ações governamentais para valorizar a Língua Portuguesa, incluindo a proibição do uso de termos como "delivery", "express", "free" e etc. em estabelecimentos comerciais e na área publicitária, e passando até pela reforma ortográfica de nosso idioma.

Não só os cinemas, mas também a televisão está sendo afetada. A cada dia surgem mais canais ou sessões de filmes e de séries dubladas.


Meu interesse por esse assunto se intensificou quando recebi da minha amiga Denise uma edição da revista Filme B, que apresentava uma matéria sobre o acelerado crescimento da bilheteria das cópias dubladas. Ao refletir sobre o tema, concluí que há razões de ambas as partes: os que defendem a dublagem dos longas, e os que não gostam de assisti-los em idioma distinto do original. Assim, decidi elaborar um questionário e enviar para algumas pessoas. O resultado segue abaixo, seguido de meu parecer sobre este. Infelizmente, um amigo apaixonado por dublagem não teve tempo para enviar sua opinião.




1) Nome:
Denise do Egito, do Papo Calcinha

2) Mini-biografia:
Denise é jornalista e autora do blog Papo Calcinha

3) Prefere ver filmes legendados ou dublados?
Eu prefiro os filmes legendados pois gosto de conhecer a voz verdadeira dos atores, mas penso que os dublados permitem que o espectador aproveite bem mais o filme porque não precisa ficar correndo a vista para ler as legendas.

4) E séries?
Também.

5) Você acha que em filmes dublados o espectador presta mais atenção ao que está na tela, por não ter que acompanhar as legendas?
Sim, isso acontece comigo, principalmente em cinema com telas muito grandes como as dos multiplex. Em alguns momentos, chega a ser cansativo.Um filme como Vicky Cristina Barcelona, por exemplo, teria suas belas locações melhor aproveitadas pelo espectador.

6) Como você avalia a qualidade das dublagens brasileiras? Ruim, Regular, Boa, Ótima?
Boa

7) Você concorda com o movimento do governo brasileiro para valorização da Língua Portuguesa, que, além de incentivar a dublagem (como ocorre em boa parte dos países europeus, por exemplo a Espanha) dos filmes e das atrações televisivas, recomenda a abolição de palavras como "delivery", "express" e "free" na publicidade e no comércio?
Sim, concordo 100%. Acho um absurdo, por exemplo, os shoppings em época de liquidação estamparem nas vitrines das lojas a palavra SALE. Ora, escrevam liquidação, afinal, estamos no Brasil.

8) O trabalho vocal do ator é um dos aspectos de sua atuação. Assistindo filmes dublados, não estamos perdendo essa característica? Mesmo que o dublador seja melhor que o ator original, ainda assim o filme sendo assistido não será o mesmo que saiu da montagem, concorda?
Acho, sinceramente, que uma melhor visualização do que acontece na tela pode compensar uma possível perda do que você chama de trabalho vocal, que eu penso que deverá ser pequena.

9) Me parece que dentro de alguns anos vivenciaremos uma situação em que exibir filme legendado será como exibir filme europeu, uma atividade para poucos cinemas, apenas aqueles de arte. Você acha que esse é o rumo? Continuará indo ao cinema para ver longas dublados?
Bem, o Telecine criou um canal só de filmes dublados porque havia forte demanda, o que já se percebe também no público de cinema. Sendo assim, já observo uma tendência realmente. Jamais deixarei de assistir aos meus diretores preferidos como Woody Allen e Pedro Almodóvar, por exemplo, porque o filme deles está sendo falado em português.

10) Expresse de forma sucinta sua opinião acerca da ampliação do número de cópias dubladas nos cinemas brasileiros.
Os exibidores e distribuidores - a maioria estrangeiros - não jogam para perder. Se o número de cópias dubladas está aumentando no Brasil é porque o público de cinema está solicitando esse formato.



1) Nome:
Eudes Honorato, do Rapadura Açucarada

2) Mini-biografia:
Eudes é blogueiro desde que nasceu, mesmo que não soubesse disso. Quadrnho e cinema é sua alimentação.

3) Prefere ver filmes legendados ou dublados?
Legendados. Se for animação prefiro dublada.

4) E séries?
Legendadas.

5) Você acha que em filmes dublados o espectador presta mais atenção ao que está na tela, por não ter que acompanhar as legendas?
Sim, mas acho que não é uma boa justificativa para quem não gosta de filmes legendados. Parece desculpa esfarrapada.

6) Como você avalia a qualidade das dublagens brasileiras? Ruim, Regular, Boa, Ótima?
Depende do estúdio de dublagem, eu acho. No geral acho que é boa.

7) Você concorda com o movimento do governo brasileiro para valorização da Língua Portuguesa, que, além de incentivar a dublagem (como ocorre em boa parte dos países europeus, por exemplo a Espanha) dos filmes e das atrações televisivas, recomenda a abolição de palavras como "delivery", "express" e "free" na publicidade e no comércio?
Eu nem sabia que existia um movimento pra isso. Acho que sempre absorvemos palavras de outras línguas, não será agora, principalmente com a internet aí, que vamos mudar isso. Acho que só não pode haver exageros, tem gente que fala season em vez de temporada e isso é irritante.

8) O trabalho vocal do ator é um dos aspectos de sua atuação. Assistindo filmes dublados, não estamos perdendo essa característica? Mesmo que o dublador seja melhor que o ator original, ainda assim o filme sendo assistido não será o mesmo que saiu da montagem, concorda?
Sim, perde. Isso é meio óbvio. Mas cabe a cada um escolher se acha que isso é essencial ou não. Por isso gosto dos DVDs com as duas opções. Já assisti filmes dos dois modos, devido a essa comodidade. Não para comparar, mas para me divertir.

9) Me parece que dentro de alguns anos vivenciaremos uma situação em que exibir filme legendado será como exibir filme europeu, uma atividade para poucos cinemas, apenas aqueles de arte. Você acha que esse é o rumo? Continuará indo ao cinema para ver longas dublados?
Eu acho que se isso acontecer, vai haver uma perda de público, por isso não creio que haverá essa mudança tão drástica. Acho que filmes mais pipocas pode até ser que venham a ter prioridades os dublados, mas ainda acho que haverá publico para legendado.

10) Expresse de forma sucinta sua opinião acerca da ampliação do número de cópias dubladas nos cinemas brasileiros.
Atraso de vida.



1) Nome:
Gilvan Soares, do Papos Pops

2) Mini-biografia:
Sou um sujeito normal (acho) que ama cultura pop.

3) Prefere ver filmes legendados ou dublados?
Normalmente prefiro legendados, mas quando as dublagens são bem feitas (de preferência quando os atores acabam ficando com as vozes com as quais já me habituei para cada um) aí não vejo lá muito problema.

4) E séries?
Acho que vai pelo mesmo caminho que a resposta anterior. O que importa é a coisa funcionar de uma maneira atrativa. Não sei como seria o Sheldon (Jim Parsons, de The Big Bang Theory) na dublagem tupiniquim (adooooro o original), mas amo as "vozes brasileiras" de Chandler e cia. no seriado Friends, por exemplo.

5) Você acha que em filmes dublados o espectador presta mais atenção ao que está na tela, por não ter que acompanhar as legendas?
Depende do filme. Se a montagem for muito frenética, cheia de cortes ou o longa contar com muitas tomadas de efeitos visuais, etc... aí eu até acho que estes fatores podem ser vistos de uma maneira melhor na versão dublada, contanto que a qualidade da dublagem seja boa (de modo que os efeitos sonoros não atrapalhem), vale ressaltar.

6) Como você avalia a qualidade das dublagens brasileiras? Ruim, Regular, Boa, Ótima?
No geral de boa pra ótima, já é de longa data que eu sei que o Brasil tem uma das melhores dublagens do mundo. Dá pra notar de longe. No entanto, é claro que há exceções... e quando elas aparecem... ai, ai... ~_~

7) Você concorda com o movimento do governo brasileiro para valorização da Língua Portuguesa, que, além de incentivar a dublagem (como ocorre em boa parte dos países europeus, por exemplo a Espanha) dos filmes e das atrações televisivas, recomenda a abolição de palavras como "delivery", "express" e "free" na publicidade e no comércio?
Acho que essa estória da valorização da Língua Portuguesa é balela. O que eu entendo é que num país onde o índice de analfabetismo ainda é um tanto alto, a idéia de dublagem total é justificada no intuito de propagar a sétima arte para aqueles que de outra forma não teriam acesso a mesma, se é que me entende...

8) O trabalho vocal do ator é um dos aspectos de sua atuação. Assistindo filmes dublados, não estamos perdendo essa característica? Mesmo que o dublador seja melhor que o ator original, ainda assim o filme sendo assistido não será o mesmo que saiu da montagem, concorda?
Não vejo muito problema nisso, ainda mais porque tudo acaba saindo em DVD mesmo e lá vc tem as opções de ver original ou não. É só escolher.

9) Me parece que dentro de alguns anos vivenciaremos uma situação em que exibir filme legendado será como exibir filme europeu, uma atividade para poucos cinemas, apenas aqueles de arte. Você acha que esse é o rumo? Continuará indo ao cinema para ver longas dublados?
Por enquanto ainda ando resistindo um pouco. Ainda essa semana deixei de ver um filme legendado porque minha namorada esqueceu os óculos. Ela sugeriu que víssemos um outro dublado e eu acabei recusando. Resultado: fomos ao cinema, mas não vimos filme algum.

10) Expresse de forma sucinta sua opinião acerca da ampliação do número de cópias dubladas nos cinemas brasileiros.
Odeio essas coisas de "Expresse de forma sucinta"... me lembra umas provas chatas que eu fazia antigamente, mas isso não vem ao caso. Sobre a ampliação de cópias dubladas eu acho uma idéia válida, não tanto para mim, mas sim para os outros. O que eu quero é ter a opção de escolher.






Bem, agradeço aos três amigos que colaboraram com a pesquisa, que não tem o mesmo valor que poderia se tivesse a opinião do amigo apaixonado por dublagem. Infelizmente não foi dessa vez. As opiniões foram interessantes, eu buscarei fazer uma análise imparcial e, em seguida, dar minha opinião parcial mesmo. =P


Vendo imparcialmente, o que interessa para todos no capitalismo é o dinheiro. Se aumenta a demanda por filmes dublados, obviamente aumenta a oferta destes, seja na televisão ou no cinema. Houve uma época em que o cinema era bem menos difundido no Brasil, e a TV a cabo nem se fala. Nesse período, todos nos acostumamos a ver produções dubladas na televisão. Inclusive, muitos não gostam de assistir aos seus programas preferidos dessa época com áudio original. Saiu há pouco um novo Indiana Jones. Boa parte dos fãs da dublagem clássica exibida na Globo nos anos 80 e 90 não se interessou em assistir ao novo filme legendado. Também ocorreu algo parecido com os admiradores do desenho Os Cavaleiros do Zodíaco, clássico dos anos 90 no Brasil. Ao surgir uma nova série, todos se decepcionaram com a mudança de dubladores.
Com base nesse ponto de vista, acredito ser natural o crescimento das sessões dubladas no cinema, fato que talvez não tenha acontecido previamente devido ao alto custo do processo de dublagem. Também concordo que ter que ler as legendas, sobretudo para a maior parte do público, pode prejudicar o entendimento do filme. Alguns longas dependem de detalhes para serem bem compreendidos (como os de David Lynch, para citar um exemplo surreal - não que seja possível compreendê-los, mas deu para entender o meu ponto de vista. =P), e ler a legenda pode, como citado nas entrevistas, atrapalhar o entendimento do filme, o que talvez seja pior do que modificar o desempenho vocal do ator.


Agora minha opinião pessoal... eu tenho verdadeira ojeriza por dublagem, infelizmente. Há muito tempo que praticamente deixei de assistir a filmes e séries na TV aberta, e canais como TNT, FOX e o Telecine Pipoca me são completamente inúteis (correção: a TNT é útil por transmitir as premiações, hehehehe). Mas é importante citar um detalhe: além de ser um leitor veloz, cada vez preciso menos ler as legendas, conforme vou ajustando meu ouvido para o inglês (exceção óbvia para todos os filmes de outras nacionalidades, claro). Assim, busco perder menos detalhes. Também gosto de me sentar da metade para trás do cinema, o que me permite ter um maior domínio da imagem, apesar de prejudicar a imersão no universo diegético da obra.
Mas independente disso, não curto dublagem. E mesmo todos os clássicos que assisti na Sessão da Tarde nos anos 80, com as vozes familiares, eu hoje prefiro ver com o áudio original. Isso inclui desenhos animados. Infelizmente, não há no Brasil a compreensão de que adulto também pode gostar de animação, e praticamente 100% dos desenhos são exibidos apenas com cópias dubladas. Mas, apenas para exemplificar, qual é a graça de ver Shrek sem o sotaque espanhol de Antonio Banderas ao dublar o excelente Gato de Botas?
Depois que me acostumo com a voz do ator então... é impossível me divertir da mesma forma com outra voz no lugar da original. Irei ao cinema apenas para ver obras 3D ou com excesso de efeitos visuais, caso sejamos completamente convertidos à dublagem, como os espanhóis. Juntarei o dinheiro dos ingressos para comprar um home theater, uma TV de LCD e montar meu cinema em casa. =P
Por fim, eu acho muito complicada a questão da valorização do idioma Português. Faz sentido evitar a propagação de determinados termos, sobretudo quando ainda são novos. Mas é muito difícil evitar que, sobretudo termos relacionados à informática, entrem no nosso vocabulário cotidiano. A verdade é que seria muito mais simples para todos se o Inglês se tornasse o idioma único do mundo, hehehehe. Mas sou a favor do Esperanto, claro.


Assim concluo meu debate sobre dublagem. Não da forma como gostaria, mas eu não deixaria essa questão pendente. =] Tentarei fazer mais uma atualização esse ano, mas não prometo. Dia 29 meus parentes chegam e se vão lá pro dia 5. Só então devo publicar meu post com os números e os Tops do ano.
Enquanto isso, Feliz Natal e Excelente 2010 para todos!

Um comentário:

Denise do Egito disse...

Oi, Elvis

Obrigada pela referência ao Papo Calcinha e à Filme B. =]
Acho que o post ficou bem legal, viu? Obrigada por publicar minhas respostas.

Um beijo e feliz 2010 de novo =D