terça-feira, 14 de outubro de 2008

Anime e música clássica

Pode parecer um título absurdo, em que duas coisas completamente distintas convivem, e não é com a finalidade de anunciar que falarei sobre as duas coisas separadamente como usei no post passado. É mesmo pra dizer que farei um post sobre a união desses dois temas tão díspares.

Nunca tive a oportunidade de conhecer música clássica mais a fundo. Até tinha uns vinis de uma orquestra tocando Beethoven lá em casa, mas eu, na condição de criança, não os ouvia com frequência.
Na adolescência me tornei um admirador de animação japonesa, os hoje bem conhecidos animes. Na verdade, eu já assistia animes antes sem saber que eram animes, até que a finada revista Herói apresentou esse conceito às massas. O sucesso da época (1994) era Cavaleiros do Zodíaco, responsável por desencadear uma revolução na cultura brasileira. Hoje muitos sabem o que são animes e mangás, são lançados nas bancas brasileiras títulos de mangá em variedade comparável à dos comics americanos, e com vendagem expressiva, animes passam em todos os canais que exibem desenhos animados e há até canais fechados com programação dedicada a eles.

Pois bem, feito tal retrospecto, chego a um anime chamado Evangelion, que descobri através, principalmente, da Internet. Conta a história da Terra em 2015, após ter havido uma grande e inexplicável explosão e dos governos estarem patrocinando uma agência chamada NERV para desenvolver robôs gigantes pilotáveis por crianças para combater os temíveis "anjos". A sinopse é confusa e faz parecer um mero anime de robôs gigantes, mas o foco principal de Evangelion está nas entrelinhas, está no forte impacto dramático do que é vivenciado por personagens demasiadamente complexos e tridimensionais. Demorei para assisti-lo, mas quando o fiz me apaixonei. E eis que a conclusão do anime era num filme, que tinha como trilha sonora o Quarto Movimento da Nona Sinfonia de Beethoven, conhecido como Ode to Joy. Baixei o movimento completo e me tornei um verdadeiro fã da música.


(a ruiva Asuka, o garoto Shinji e de cabelos azuis, Ayanami, os três protagonistas de Evangelion)


Tempos depois, minha amiga Karen me indicou um anime chamado Princess Tutu. Só havia disponível com legendas em inglês. Meu inglês para leitura é bom, mas não uso com frequência para assistir filmes, ver séries, ler livros. Contudo, de uns tempos pra cá, comecei a arriscar mais e consigo entender sem problemas. Baixei o anime e demorei meses para assistir. Tutu é o oposto de Evangelion. Completamente inocente e fortemente embasado em contos de fadas, narra a história de uma patinha que sonha em conhecer um príncipe, então ganha o direito de ser humana e de virar a Princesa Tutu e devolver ao príncipe a sua alma, fragmentada e espalhada numa batalha para derrotar o grande Corvo. A história conta com um pouco de metalinguagem e pode agradar tanto a crianças como a adultos. O pano de fundo da série é uma escola de ballet, onde todos os personagens importantes estudam. Cada episódio é embalado por uma diferente valsa, sua melodia fazendo parte da trilha sonora, e a história narrada pela valsa muitas vezes sendo um sub-plot do capítulo. Valsas como Coppelia e Danúbio Azul são lembradas pela série. Tornei-me um apreciador do balé clássico (inclusive preciso assistir a um espetáculo qualquer dia desses) e de várias valsas famosas.


(Tutu e o príncipe Mytho dançando o Pas de Deux)


Ano passado, ouvi falar de um anime chamado Nodame Cantabile, através do meu amigo Moisés. Li a sinopse e me pareceu promissor. Mas acabei deixando-o em segundo plano. Não faz muito tempo que minha amiga Mari disse que eu deveria assistir e começou a me passar os episódios. O anime conta a história de Noda Megumi (mais conhecida como Nodame), uma estudante universitária de piano, e seu colega de faculdade Chiaki, um excelente músico (sobretudo pianista, mas também violinista), com um ouvido notável e que sonha em ser maestro. É um anime romântico, mas sobretudo sobre música clássica. São inúmeras as obras tocadas nos episódios, passando por grandes clássicos de Beethoven, Mozart, Vivaldi e Rachmaninoff, entre inúmeros outros. Tocadas por pianos, violinos, saxofones, orquestras inteiras, etc. Um espetáculo. Recomendo para os apreciadores.


(Nodame e Chiaki, retirada do mangá)


Preciso agora me aprofundar na descoberta desse maravilhoso mundo da música clássica, no qual fui introduzido sutilmente pelas animações japonesas citadas.

Deixo-os com um trecho do anime Nodame Cantabile, no qual Chiaki acompanha Nodame tocando o Concerto para Piano nº 2 de Rachmaninoff.

Até a próxima!


11 comentários:

Ita Andrade disse...

Texto interessante e inteligente. Obrigada!

Denise do Egito disse...

Puxa, isso foi novidade para mim. Apesar de não saber NADA sobre Anime, é bom saber que há um toque de música clássica. E eu AMO Rachmaninoff (toquei no meu casamento...)
Um beijo

alex marques disse...

Putz, Elvis... sem inveja nem nada... mas eu gostaria de escrever tão bem como você... dso animes citados conheço Evangelion.. h´amuito tempo que eu "paquero" com ele mas até não consegui episódios com boa qualidade... isso não é bem desculpa mas sempre aparece uma coisa que me faz não vê-lo.... e confesso também que conheço poquíssimo de música clássica! Mas tudo bem prestarei mais atenção nos detalhes Ok! Outra coisa: quando for escrever os posts no blogger, procura clicar na aba "escrever" ela dá opção para justificar o texto ok! Um abraço!

Elvis "Wolvie" Rodrigues disse...

Oh, eu uso a aba "escrever". É que não gosto muito desse editor de posts do blogger. Já passei por maus bocados tentando formatar textos naquele troço, muitas vezes sendo obrigado a editar o HTML na mão (isso ocorreu em meus blogs de contos, há muito não atualizados).
Graças a este probleminha, acabei tomando certa antipatia pela ferramenta, e me limito a colar no editor o que veio do Notepad (esse sim, o melhor editor de textos que já pude utilizar =PP).
De qualquer forma, justificar o texto auxilia a leitura, então buscarei me lembrar de fazer uso desse facilitador.

Veja Evangelion! Eu tenho a versão remasterizada completa e, aliás, creio que Gilvan também a tenha. Se for para Campina em breve, pode pegar com ele. Senão, eu posso gravar e lhe enviar.
Vale a pena assistir.

Sobre eu escrever bem, é bondade sua. =)

Eliana Mara disse...

Também quero publicar e me sinto super medrosa.
Parece que quando está chegando o momento, me deu um medo...

Gostei dessa toca.


Beijos

Calabresa disse...

Blog tb é uma oportunidade interessante de aprender coisas. Só conhecia os animes vagamente. Agora posso dizer que sei bem mais!
Valeu a visita lá no blog!
Bjsss

Gilvan disse...

Nada como um bom anime, hein, Wolvie-san? Saudades da época em que frequentávamos algum evento do tipo para conhecer novas animações, dentre outras coisas da cultura nipônica. Bons tempos!!

Agora quero só te lembrar de duas coisas:
1) eu não tenho a versão remasterizada de Evangelion completa... só tenho até o episódio 23. Você ficou de me mandar o resto, lembra?
2) também sou um dos que falou sobre Nodame Cantabile contigo, viu? Quando fui para o Encontro Nipon no qual encontrei o próprio Moisés. Não se recorda que por causa de um choque de horário com outras atrações eu acabei perdendo o início deste anime que muito queria ver e acabei deixando pra lá (vc bem sabe o quanto odeio não pegar as coisas do início)? Aliás, espero que também não se esqueça de que no nosso último telefonema eu pedi que gravasse este anime pra mim, ok? Se bem que agora é que a encomenda deve demorar a chegar, pois parece que os correios entraram em greve novamente.

No que se refere a Princess Tutu eu conheço a apenas a sinopse que vc me contou por email outro dia e o que relataste aqui no post. Acho que nunca sequer tinha visto uma imagem do anime.

Como é bonito a mescla de música clássica e animação, não é? O próprio Walt Disney já trilhou esse caminho também, como vc certamente está ciente. A verdade é que também não sou profundo conhecedor de música clássica, até porque eu não costumo me focar no assunto. Felizmente, o cinema muitas vezes me preenche um pouco essa lacuna. É claro que a maioria das composições clássicas são maravilhosas, no entanto, sob este aspecto eu ainda prefiro a belíssima simbiose entre som e imagens... seja nas telas ou em alguma apresentação teatral, orquestra ou coisa do gênero.

Uma dúvida: certa vez ouvi dizer (ou li em algum lugar, não me recordo com certeza) que a valsa de Strauss intitulada "Danúbio Azul" (e que é tema do filme 2001, de Stanley Kubrick) na verdade se chamaria "No Profundo Danúbio Azul". Gostaria de saber qual é o título correto.

Mudando de assunto... eu também prefiro copiar as coisas em bloco de notas antes de inserir no blog (nota: atualização em breve, finalmente), é muito mais fácil.

Ah, e não seja tão modesto... vc sabe que escreve bem. =)

Abraço!!

Denise do Egito disse...

Passando para saber se há post novo.
Voltarei outro dia.
Uma boa semana para você!

Spring.Rain disse...

Não me considero fã de anime nem de música clássica... Embora goste de alguns animes e de algumas músicas clássicas. =)

Kayla Frost disse...

Hum realmente estes animes são muito bons, mas não podemos esquecer de La Corda d'Oro, um anime incrivel que reune vários instruimentos de musica clássica, Violino, Piano, Flauta, Trompete e muitos outros. E cláro com a magia do anime, com as belas musicas classicas ele torna-se inressistivel para quem gosta deste tipo de anime.

Fica ai a minha dica! ^^

Elvis "Wolvie" disse...

Opa, um comentário! Não conheço este La Corda d'Oro, mas fiquei interessadíssimo! Pesquisarei agora mesmo!!! Obrigado pela dica e seja bem-vinda, desculpe a falta de atualizações. =/