sábado, 14 de março de 2009

XVIII Encontro da Nova Consciência - Parte II

Continuando minha narrativa do 18º Encontro da Nova Consciência (que outrora se chamava Encontro Para a Nova Consciência, mas teve sua grafia alterada por razões numerológicas, salve engano), tirei a manhã do domingo para descansar um pouco e fui ao evento apenas após o almoço. Domingo à tarde ocorre há vários anos a Caminhada pela Paz, seguida do Ato Ecumênico. A caminhada é sempre guiada ao som dos Hare Krishna, que animam os acompanhantes e é muito melhor do que correr atrás de um bloco de axé, hehehehe. E o Ato conta às vezes com participantes de até 15 religiões distintas. Cada um faz uma breve prece, cânticos são entoados e muita energia positiva circula pelo lugar.
Pois bem, o evento mudou de lugar esse ano (uma vez que o Teatro Municipal está em reformas) e, dessa forma, também mudou o percurso da caminhada. Mas nem por isso ela foi menos prazerosa. Acompanhei ao lado de um amigo o aquecimento dos Hare Krishna enquanto ensinavam à platéia seu tradicional mantra em vários ritmos distintos. Em seguida, acompanhados por um carro de som (uma pessoa segurava o microfone para um Hare Krishna ditar as músicas), fizemos um percurso relativamente curto, mas divertido, sempre acompanhando os mantras. A caminhada terminou na praça embaixo do novo viaduto da cidade, onde se reuniram representantes Hare Krishna, seguidores de Sai Baba, índias tradicionais, representantes do Santo Daime e wiccanos. Curiosamente, a única religião cristã presente este ano foi o Santo Daime. Não sei dizer porque, já que certamente vários espíritas se interessariam em comparecer, e eles sempre conseguiam um padre ou bispo e um pastor mais aberto. De qualquer forma, foi muito bom poder presenciar essa emanação de energia positiva.

Ainda no domingo, assisti parte de uma palestra entitulada O Caminho da Deusa - Jornada de Uma Peregrina pelos Caminhos de Santiago de Compostela, a narração de uma xamã matricial sobre sua jornada pelo caminho que Paulo Coelho tornou famoso no Brasil ao narrar sua própria jornada no livro O Diário de Um Mago. Duas coisas me chamaram a atenção na palestra: a xamã Maria Dáguia era uma branca convertida nas tradições indígenas por uma índia americana, não me recordo se era cherokee ou cheyenne; e ela alternava sua narração com momentos musicais, acompanhados de um instrumento que lembrava um pandeiro, mas sem os guizos, um pouco maior e tocado como um tambor, com a ajuda de uma baqueta (ou seja lá como se chamar). Ela mesma tocava o instrumento, e a primeira música foi especialmente bela, sem conter uma letra, apenas agudos vocais belissimamente harmônicos. Queria um cd! =P

Na segunda pela manhã presenciei a mesa redonda Uma Nova Consciência para o Semiárido (sem hífen na programação, não me perguntem se está de acordo com as novas regras =P). Adriana Lucena abriu a discussão apresentando os problemas do Semiárido, as possíveis soluções, a questão política que ronda o problema e nos apresentou a inúmeras espécies vegetais, inclusive algumas agregáveis à culinária. Em seguida, o professor Daniel Duarte fez uma palestra maravilhosa, uma verdadeira aula de didática. Entrecortando as discussões com trechos de poesias e de músicas nordestinas, a maioria de Luiz Gonzaga, o palestrante, que estava vestido completamente à caráter (de couro, bota e gibão), não deixou a platéia piscar. Exibiu inúmeras fotos de sua autoria mostrando como o Semiárido é belo e saí praticamente amando a região, hehehehe.

No início da tarde, conferi a palestra Radiestesia e Radiônica - Meios de Integração da Mente Universal, com o radiestesista profissional José Marcial, de São Paulo. De acordo com a Wikipédia: "Radiestesia é uma palavra composta por dois termos distintos: Radius, que vem do latim e significa radiação, e aisthesis, de origem grega e que significa sensibilidade, indicando assim a sensibilidade às radiações". Sabe aquele pedaço de galho em forma de Y que chamam forquilha e que serve para encontrar água em regiões secas? É um instrumento da radiestesia. Tudo no Universo emite energia, a radiestesia consiste em diferenciar os tipos de energia e fazer contato com elas. Exemplo: perdeu um objeto? É uma das mais bem-sucedidas práticas radiestesistas encontrar coisas perdidas (ou pessoas, já descobriram cativeiros de sequestros). Encontrar água, mineirais preciosos, e até mesmo descobrir com que tipos de alimentos seu organismo se dá bem. Importante: radiestesia não é ocultismo nem bruxaria. Todos têm essa capacidade, e a maioria pode desenvolvê-la sem muitos obstáculos. Apreciei bastante conhecer mais do assunto, acerca do qual eu tinha apenas uma vaga idéia, e mesmo assim sem saber como se chamava.

Saí apressado da palestra para conferir o Encontro de Esperanto, com uma palestra do renomado professor de Juiz de Fora José Passini, talvez a maior autoridade brasileira no idioma. Esperanto é a língua planejada mais falada do mundo, e sua principal meta é ser um idioma de fácil aprendizado, buscando ser o elo de ligação entre todos os povos. O Esperanto não quer substituir língua alguma, mas sim ser o meio de comunicação internacional. Aliás, eles abominam a idéia de algum país adotar o idioma como oficial, pois dessa forma perderia as suas características. Mesmo que estudemos Inglês por 10 anos, não falaremos como um nativo, de maneira alguma. Com o Esperanto, não há esse problema, porque a língua não tem donos. Ademais, o idioma parece ser realmente simples, utilizando características de várias línguas. Eu fiquei realmente tentado a fazer um curso ou estudar por conta própria. Eu poderia manter esse blog em Esperanto. =)


Bem, abaixo mais alguns folders de eventos passados (o último foi desse ano) e em breve a última parte da minha narração, repleta de fotos.







Abaixo alguns vídeos do evento desse ano, postados pela ONG:


(um panorama geral do evento. No início, a xamã da palestra e seu instrumento. Dá pra ver bem a feirinha esotérica e um trecho do show de Biliu de Campina - uma espécie de Adoniran Barbosa da cidade, hehehe)



(sobre o Esperanto, entrevista com José Passini)



(matéria da TV Itararé, representante local da Cultura)



(matéria da mesma emissora sobre a Caminhada pela Paz. Um sorvete para quem conseguir me achar no vídeo! XD)

6 comentários:

Anônimo disse...

Yo, eu não gosto desse tipo de programa, mas gostei do cartaz, parece meio nórdico :P...

alex marques disse...

Olá, sem dúvidas é um ainfinidade de temas abordados, particularmente me interessei pelo Esperanto.. irei procurar mais alguam coisa sobre o tema.

Hum "Radiestesia" é o nome praquilo... bom saber! E Biliu de Campina é o que há! Uma figura! Lembra do clipe que o meu primo produziu?

Aguardando a conclusão dos posts!!!

Giuliana disse...

Ai, adoro a cultura dos indios. Me interessei primeiramente quando o Arquivo X tratou do assuntos no 3 ou 4 ano, nao me lembro... acabei pesquisando pelos nossos indios também. O simbolismo é fantástico.

Eu quero um CD da tiazinha também, adorei. :P

Elvis "Wolvie" disse...

Bem, Karen, o evento não faz mesmo o seu gênero, mas consigo lhe visualizar formulando excelentes questionamentos a alguns palestrantes. =P

Alex, Esperanto é fascinante. Também fiquei com vontade de conhecer mais! E claro que lembro do clipe do Biliu, tá lá no seu blog! =D

Giu, nunca fui muito de índios, mas essa xamã em especial me tocou.

Denise do Egito disse...

Elvis,

Aqui estou eu, tentando me atualizar. Estou no trabalho, então, tenho de ser breve. Deste post, gostei sobre a Radioestesia. Fiquei curiosa em saber como eu poderia desenvolvê-la (quando me sobreasse um tempo, né? hehehe). Outra ocisa qu eme chamou a atenção: a questão da beleza do sertão semiárido (tb não sei se é com hífen ou não). Porque não consigo imaginar beleza em um lugar sem plantas e flores (amo flores, né?)...
Levantar idéias novas é renovador para nossa alma, não?
Beijos

Elvis "Wolvie" disse...

Pois é, Denise. Há beleza no semiárido. E há vegetação. E há flores. Só não são as mesmas com as quais estamos habituados. E quando não há essas coisas, é porque o homem destruiu o lugar.
E leia sobre Radiestesia sim, é bem interessante!